Enter your keyword

Salão de Ideias aborda processo criativo na escrita

GUILHERME FARIA

O Salão de Ideias desse domingo touxe um bate-papo bem descontraído com os escritores Matheus Acaro, Waldomiro Waldevino Peixoto e Ely Vieitez Lenes Lisboa. O tema abordado foi a criação, como ter ideias para escrever um livro, de onde surge a criatividade dos autores.

O bate-papo também teve a intenção de incentivar novos leitores a se interessar pelos livros, além de dividir um pouco do vasto conhecimentos desses três autores consagrados.

Professora de literatura, escritora e mestre em Estudos Semióticos pela Unesp, Ely Vieitez foi a primeira a pegar o microfone. Conhecida também pelas suas obras eróticas e pornográficas, ela contou um pouco sobre sua trajetória, desde aluna de um colégio religioso quando pequena até quando publicou seu primeiro livro.

Ao falar sobre o processo de criatividade, Ely disse que esse é um processo individual de cada um, depende da biografia do autor, a sua visão de mundo sobre as coisas que acontecem ao seu redor. E para ela sem dúvidas o quê influenciou na sua criatividade de escrever livros foi a sua experiência vivida.

Um dos temas do debate era a ficção, a escritora fez questão de deixar claro que uma ficção não é só algo inventado da cabeça de alguém, é na verdade uma recriação da realidade, a própria biografia é uma ficção, onde são narrados os fatos que aconteceram. Para ela, você colhe o material da própria sociedade e muda de acordo com sua própria visão de mundo.

Além de obras eróticas Ely também já escreveu livros românticos. A autora revelou que quando estava viajando a passeio pela Europa, na primavera teve ideias para escrever um romance, se estivesse solitária passando por um mal momento pessoal, na sua opinião, não teria surgido essas ideias. Por isso ela diz que a criatividade surge através das experiências vividas.

Outro palestrante, o jovem escritor Matheus Acaro, de apenas 34 anos, deu sua opinião sobre os temas abordados. Matheus é professor mestrando em Filosofia Contemporânea pela Unicamp, pós-graduado em História da Arte, graduado em Filosofia e Comunicação Social, Artista plástico e escritor.

Para Matheus, a leitura influencia na vida, ele que é apaixonado por Filosofia contou que seu conhecimento adquirido ao ler livros sobre essa matéria contribuíram para a sua escrita. De acordo com o escritor, quanto mais você lê, mais conhecimentos são adquiridos e mais ideias surgem, é um processo natural.

“Fazer arte é olhar para o nosso lado mais escuro e tenebroso”. Frase citada pelo escritor logo no ínicio de sua fala, com o decorrer da palestra ele explicou porque usa tanto essas palavras. Quando vai se escrever um livro, além de tudo já dito e explicado por eles o escritor deve “sentir”o quê está colocando no papel, fazer uma auto-reflexão sobre o tema e buscar pensamentos e sentimentos mais profundos dentro de si para expressar em sua obra. Tornando mais real.

Sobre a visão de mundo, Matheus diz que não existem fatos reais, e sim interpretções diferentes, cada pessoa interpreta um fato de uma maneira, o fato não muda, o quê nos diferencia é o jeito como enxergamos a realidade. E está tudo interligado com a leitura, a leitura abre um leque em nossa cabeça, faz com que melhoramos nosso vocabulário, além de surgir novas ideias.

Segundo ele, escrever é treino, quanto mais praticado melhor fica. Na opinião de Matheus, hoje no Brasil, há mais escritores do que leitores, o quê é errado, já que para você escrever uma obra de sucesso você deve se tornar um bom leitor antes.

O terceiro palestrante foi Waldomiro Waldevino Peixoto, professor licenciado em Letras, escritor e comerciante. Já publicou um livro chamado “Faca Amolada”.

Waldomiro se preocupa com o quanto os jovens de hoje se interessam pela leitura, em sua opinião, cada vez menos. E pode ser preocupante já que a leitura é essencial para a formação intelectual do ser humano. Para ele é importante que os pais incentivem seu filhos desde de pequenos a ler, pois assim criam um hábito, podendo até se interessar em escrever obras no futuro.

O primeiro passo é incentivar, mostrar o quanto é prazeroso a leitura, adquirir novos conhecimentos, novas experiências através dos livros.

-
0:00